História

Antiguidade

Os surdos foram maltratados ao longo da história. Foram vítimas de extermínio e segregação pois eram olhados como uma aberração.

No Egipto os surdos eram adorados mas na China, por exemplo, eram atirados ao mar. Só no fim da Idade Média é que começou a ser encarado como uma deficiência auditiva, sob o ponto de vista científico. Os Romanos privavam o Surdo de todos direitos legais. Eram confundidos como retardados. Não podiam se casar (até séc. XII).

Foi na Idade Moderna que se distinguiu, pela primeira vez, surdez de mudez. A expressão surdo-mudo, deixou de ser a designação do Surdo.

Século XVI

  • Girolamo Cardano (1501-1576)
    Médico italiano interessado em estudar o caso do seu filho surdo. Cardano encontrou por casualidade o livro de Rudolphus Agricola. Defendeu que o emprego de palavras faladas não era indispensável para se compreender as ideias, mas defendeu que era necessário aprender a ler e a escrever.
  • Pedro Ponce de Leon (1520-1584)
    Monge beneditino católico, estabeleceu a primeira escola do Mundo para pessoas surdas, no Mosteiro de S. Salvador, perto de Madrid. Ensinou aos surdos primeiro a escrever mostrando-lhes o objecto, depois vocalizavam as palavras a que correspondiam. Foi o criador deste método a que os alunos reagiam bem. Guardou os registos dos seus métodos, mas foram destruídos por um incêndio.

Século XVII

  • Juan Pablo Bonet (1579-1620)
    Educou elementos surdos da mesma família nobre. Em 1620 publicou A Simplificação do som e a forma de ensinar o surdo a falar. Acreditava que era imprescendível ensinar o surdo a aprender um alfabeto manual.
  • Juan Bulwer (1614-1684)
    Médico inglês. Publicou  em 1644, A Língua Natural da Mão e A Arte da Retórica Manual. Estava convencido que a língua manual era natural de todos os homens, sobretudo para os surdos e era útil o uso de um alfabeto manual.
  • Jorge Dalgarno ( ? -1687)
    Em 1680, Dalgarno publicou O Tutor do Homem Surdo e Mudo. Neste livro defendia diferentes maneiras de ensinar a língua aos surdos. Defendia que a que a utilização do alfabeto manual era mais prático.

Século XVIII

  • Carlos Michel de L´Epee (1712-1789)
    Foi sacerdote durante 25 anos e mais tarde interessou-se pelo ensino dos surdos. Em 1760, iniciou o Refúgio para o Surdo em Paris para surdos de meios sociais desfavorecidos  e ensinou as crianças surdas na escola em Truffaut, França, entre 1762-63. Em 1776, publicou Instrução do Signo Surdo e Mudo Metódico. Ficou famoso na Europa devido ao seu trabalho com os surdos. Reconheceu o valor da Língua Gestual dos surdos. Contudo, segundo Lane (1997), ele não entendeu que existia uma verdadeira linguagem estruturada entre surdos. Assim, tentou criar um sistema de gestos e gramática francesa oral.
  • Abbe Roch Sicard (1742-1822)
    Foi aluno de Carlos Michel de L´Epee para ser professor de surdos e designaram director da escola. Em 1782, abriu uma escola para surdos em Bordéus. Escreveu A Teoria dos Signos.
  • Samuel Heinicke (1727-1790)
    Os métodos de Heinicke eram estritamente orais. Opôs-se fortemente à utilização da linguagem de signos. Teve grande sucesso no ensino a um jovem que aprendeu a falar, a ler os lábios e a escrever. Em 1778, abriu a primeira escola para os surdos na Alemanha. Ficou conhecido como o Padre do Método Alemão.
  • Thomas Braidwood (1715-1806)
    O homem mais excepcional em Inglaterra, preocupado com a educação dos surdos. Em 1760, fundou, em Edimburgo, a primeira escola na Grã-Bretanha como academia privada. Em 1783, transferiu-se para Londres e recomendou o uso de um alfabeto onde se utilizassem as duas mãos que ainda hoje está em uso na Inglaterra.

Século XIX

  • Thomas Hopkins Gallaudet (1787-1851)
    Juntamente com Laurent Clerc fundou a primeira escola de surdos na América. Depois de ter aprendido os métodos de ensino com Sicard.
  • Laurent Clerc (1787-1851)
    Estudante surdo que trabalhou com L´Epee e Sicard, deu aulas na Instituição Real para o surdo em Paris. Em Abril de 1817, juntamente com Gallaudet estabeleceram a primeira escola em Hartford, Connecticut.
  • Alexandre Graham Bell (1847-1922)
    Em 1872, abriu uma escola de educação para professores de surdos, em Boston. Bell tentou encontrar algum meio mecânico de modo a tornar o discurso visível e desenrolar a amplificação. Durante as experiências inventou o telefone. Era contra o uso da Língua Gestual.~
  • Congresso de Veneza Em 1872, no Congresso de Veneza, decidiu-se o seguinte:
  • O meio humano para a comunicação do pensamento é a língua oral;
  • Se orientados, os surdos lêem os lábios e falam;
  • A língua oral tem vantagens para o desenvolvimento do intelecto, da moral e da linguística
  • Conferência de Milão de 1880
  • A 6 de Setembro de 1880, os educadores de surdos de todos os países reuniram-se em Milão para um Congresso Mundial de Educação de Surdos. As discussões foram sobre os edifícios e os métodos de ensino. Cada representante falou sobre o método usado na instrução e educação. Todos os países com excepção dos Estados Unidos adoptaram o método oral como o preferido.O Congresso de Milão, em 1880, foi um momento obscuro na História dos surdos, uma vez que que lá um grupo de ouvintes tomou a decisão de excluir a língua gestual do ensino de surdos, substituindo-a pelo oralismo (o comité do congresso era unicamente constituído por ouvintes.). Em consequência disso, o oralismo foi a técnica preferida na educação dos surdos durante fins do século XIX e grande parte do século XX.O Congresso durou 3 dias, nos quais foram votadas 8 resoluções, sendo que apenas uma (a terceira) foi aprovada por unanimidade. As resoluções são:
  1. O uso da língua falada, no ensino e educação dos surdos, deve preferir-se à língua gestual;
  2. O uso da língua gestual em simultâneo com a língua oral, no ensino de surdos, afecta a fala, a leitura labial e a clareza dos conceitos, pelo que a língua articulada pura deve ser preferida;
  3. Os governos devem tomar medidas para que todos os surdos recebam educação;
  4. O método mais apropriado para os surdos se apropriarem da fala é o método intuitivo (primeiro a fala depois a escrita); a gramática deve ser ensinada através de exemplos práticos, com a maior clareza possível; devem ser facultados aos surdos livros com palavras e formas de linguagem conhecidas pelo surdo;
  5. Os educadores de surdos, do método oralista, devem aplicar-se na elaboração de obras específicas desta matéria;
  6. Os surdos, depois de terminado o seu ensino oralista, não esqueceram o conhecimento adquirido, devendo, por isso, usar a língua oral na conversação com pessoas falantes, já que a fala se desenvolve com a prática;
  7. A idade mais favorável para admitir uma criança surda na escola é entre os 8-10 anos, sendo que a criança deve permanecer na escola um mínimo de 7-8 anos; nenhum educador de surdos deve ter mais de 10 alunos em simultâneo;
  8. Com o objectivo de se implementar, com urgência, o método oralista, deviam ser reunidas as crianças surdas recém admitidas nas escolas, onde deveriam ser instruídas através da fala; essas mesmas crianças deveriam estar separadas das crianças mais avançadas, que já haviam recebido educação gestual, a fim de que não fossem contaminadas; os alunos antigos também deveriam ser ensinados segundo este novo sistema oral.
  • As atitudes de proibição de gestos não terminaram com as escolas especiais que ensinavam códigos de sinais aos surdos. Com os estudos efectuados por William Stockoe (1960)e Bellugi e Klima (1977) está situação alterou-se. No artigo de Stokoe chegaram mesmo a conclusão da existência da Língua Gestual pois obedecia a regras de construção de frases e palavras e tinham uma gramática própria. Foi atribuído o estatuto de Língua.

Referências:

http://www.casasonotone.com/surdez

http://www.dfjug.org/DFJUG/rybena/rybena_linha_tempo.jsp

Todas as 8 resoluções: História dos surdos no Mundo, página 66-68

24 Respostas to “História”

  1. Luana Dias Says:

    Gostei muito deste trabalho, atravez do qual pude conhecer mais sobre a história da pessoa surda.

  2. Simone L. F. Guimarães Says:

    Lidar com pessoas que não falam deve ser uma maravilha, porque hoje em dia tem gente que fala tanta asneira e tem umas vozes tão enjoadas e uns sotaque tão irritantes, que seria melhor lidar com surdos e mudos. Pelo menos trabalhar com eles evita-se aborrecimento. Nada melhor que o silêncio!

    Abraços,

    Si Twingle :-)

  3. kaythmires Coelho Fernandes oliveira Says:

    o ensino fundamental I deveria ter aulas de libras, para desde do inicio do processo de alfabetizacão as crianças podessem conhecer os sinais,e procurando despertando nas criasnças o quanto e divertido se comunicar em sinais, isto iria favorecer a socialização e a inclusão de crianças surdas

  4. solange wasen Says:

    Como as pessoas que tem dificuldade para ouvir e se espresar sofreram e tiveram que lutar sem falar para que alguém os ouvisse e os ajudasse.

  5. celita Ferreira da Silva Says:

    Ainda bem que tem como comunicar com os surdos e mudos, só estudando para que possamos entender e falar com eles

  6. Lourenço Sanches de Matos Junior Says:

    A história dos surdos comove e reforça que a Língua Gestual é de extrema importância para o desenvolvimento de cada cidadão surdo. Mas o Congresso de Milão foi cheio de injustiças enquanto eram decididos o futuro e a educação de uma comunidade que praticamente não estava representada na ocasião. A sociedade mundial de ouvintes tem esse exemplo para considerar os Surdos, pessoas com sentimentos e ideias próprias.

  7. fernanda cunha Says:

    ql o autor? nao assinaram? como posso pegar como referencia bibliografica?

  8. erica Says:

    eu concordo em incluir essa lìngua de sinais nas escolas de hoje,além da grande oportunidade de acabar com o preconceito e a diferença social que existe entre alunos e professores.

  9. cris werle Says:

    A grande maioria dos surdos,
    não são mudos.

  10. maristela Says:

    muito interessante esse assunto.as vezes nem percebemos o quanto é importante aprender e o quanto sofreram essas pessoas.pelo preconceito.pois apesar de serem surdas são tão inteligentes como nós que ouvimos

  11. ieldes carvalho de sousa Says:

    Eu gostei de ter conhecido essa história dos surdos e modos,como eles sofreram sem poder se comunica,ainda bem que exestia pessoa que corria atrás de conhecimento.

  12. raimunda teixeira Says:

    ótimo esse trabalho me ajudou muito a esclarecer mas sobre as pessoas surdas.

  13. giuliano Says:

    como o ser humano era mal, com os surdos. merecem queimar todos os malvados no inferno…

  14. Adriana Says:

    Excelente forma de trabalho para acrescentar em sala de aula no Ensino Fundamental I.Conheço muitas crianças com dificuldades de aprendizagem que após ter a oportunidade de aprender que o Silêncio tem voz,elas demonstram mais interesse em Aprender em sala de aula.

  15. Amanda Romano Says:

    Adorei o artigo, aprendi várias coisas sobre surdos.

  16. Arthur Jefferson Barbosa dos santos Says:

    Gostei muito, aprendi detalhes sobre a história.
    …sempre buscando novos conhecimentos, não sabemos o dia de amanhã…

  17. Ismael Augusto Says:

    O comentário da Simone L. F. Guimarães Says, é no mínimo insignificante nesta página. Acho que a mesma não assimilou o conteúdo à que se refere este artigo! É uma pena!

    O artigo desta página é interessante e de ótimo conteúdo!

  18. Ademir Says:

    Aprender libras é muito bom e importante para a sociedade,pois nos abre uma grande janela, para a comunicação e também da liberdade!

  19. Valéria Says:

    A conferência de Milão foi de extrema importância para a Educação para os surdos, tanto a língua oral como a gestual.

  20. Rafael Moreira da Silva Says:

    penso que não devemos descriminar nem ouvintes e nem surdos como também devemos ter em apreço aqueles que são deferentes de nós quer pelo seu timbre,suntaque ou se sua fala e irritante ou não .acho que toda descriminação deve ser desprezada e temos que aprender a conviver com os nossos semelhantes

  21. juliana candida monteiro zanini Says:

    Muito interessante poder aprender mais sobre os surdos, porque eles sofrem muitos preconceitos e necessitam ser compreendidos por todos.

  22. Jaqueline Says:

    Vimos mais uma vez como a história é necessária em nossas vidas .Com esses relatos aprendemos a ter mais respeito pelas pessoas,e por toda a sua trajetória até os tempos de hoje.Agora depende apenas de nós mesmos para aprender este tipo de comunicação para que possamos não só falar mais também entenderas pessoas com deficiência auditiva.

  23. fabio Says:

    Já tive a oportunidade de trabalhar com alguns surdos, me sentia muito bem na presença deles, posso dizer que aprendi e cresci como pessoa.

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s


Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

%d bloggers like this: